O que fazer em Jericoacoara? Conheça as belezas desse incrível lugar!

Quem viaja para o litoral do Ceará e procura saber o que fazer em Jericoacoara, por mais que se planeje, sempre é pego de surpresa ao testemunhar tudo o que há ao redor. É uma sensação de arrebatamento difícil de explicar, mas muito fácil de sentir ao pôr os pés na areia, cruzar a vila de pescadores e bater um papo sobre os causos da vida com os moradores locais.

Jeri é uma região tão rica em arte, culinária, cenários e pessoas de sorriso contagiante que dificilmente não cativará um lugar em nossos corações. Quem conhece sabe: é como uma segunda casa, sempre pronta para nos receber de braços abertos.

Foi pensando nisso que reunimos 5 dos lugares mais ricos em experiências que você não pode deixar de conhecer quando visitar a região. Acompanhe!

1. Velha e Nova Tatajuba

Tatajuba é uma das praias de Jericoacoara que têm uma relação especial com o seu povo, por carregar uma história compartilhada, vivida por tantos e simbólica para muitos. No passado, era uma pequena vila de pescadores, mas, pela ação do tempo e a força da natureza, foi soterrada e transformou-se em um lugar de memórias e afetos.

Região em que antigas construções engolidas pelas areias ainda resistem e mostram que a vida nunca para, Tatajuba segue mesmo contra as adversidades. E foi justamente por entenderem isso que os moradores fizeram logo ali, na outra margem do rio, a nova Tatajuba, onde pescadores podem manusear suas redes, seus manzuás e suas balanças antes de prepararem os barcos que os levam à grande paixão de suas vidas: o mar.

Para visitar a velha e a nova Tatajuba, há uma série de passeios de buggy que fazem circuitos desde o centro de Jeri e passam pelas lagoas e dunas próximas, como a Lagoa da Torta e a Duna Encantada. Outros pontos marcantes e conhecidos, como o Mangue Seco, o Parque Nacional dos Cavalos-Marinhos e as Dunas Secas, estão incluídos no trajeto.

2. Parque Nacional dos Cavalos-Marinhos

Jeri não é apenas um lugar de encontro entre céu e mar, de pé na areia, de mesa farta (e saborosa) e das praias que são quase um mundo particular, sempre à sua espera. Ela também é um canto de valorização e, principalmente, respeito e cuidado com a natureza.

Não é à toa que a fauna local é reduto para uma espécie: os cavalos-marinhos. Justamente por isso, há um manguezal assistido por canoeiros locais e biólogos que, hoje, é o Parque Nacional dos Cavalos-Marinhos, um espaço destinado à preservação e ao monitoramento desses animais no Nordeste. 

Contudo, o rio de águas salgadas que passa por ali não é restrito. Ao contrário: é aberto a visitantes, sejam adultos ou crianças, que apreciam o verde, o que permite que você tenha um contato maior com eles e, claro, saiba mais sobre esse trabalho cheio de esmero e feito a tantas mãos.

3. Mangues Secos

Não muito distante do Parque Nacional dos Cavalos-Marinhos, há os Mangues Secos, onde o inusitado acontece. O lamaçal e os rios dão lugar à areia branca e às árvores de galhos finos, que se entrelaçam uns aos outros e criam verdadeiros labirintos pelos quais é difícil passar.

É uma natureza que se automodifica, que inova e transforma a paisagem ao redor, criando cenários de contrastes, de forças e de resistência a um sol que reina onipotente no céu. É um cenário que encanta, que hipnotiza.

Por ser uma área de difícil acesso, é preciso seguir parte do caminho de buggy e, em seguida, atravessar uma lagoa de balsa. Ela é comandada por ninguém menos do que os pescadores locais, que conhecem Jericoacoara como ninguém e sabem de todas as histórias e os fascínios que a região tem para mostrar.

4. Duna do Pôr do Sol

Sabe aquele lugar sereno que, apesar da calmaria, é cheio de vida, de energia e de gente? Assim é a famosa Duna do Pôr do Sol, onde, diariamente, a partir das 17h, começam a surgir cangas pela areia, risos soltos de famílias — que encontraram naquele pedaço de paraíso na terra a felicidade das pequenas coisas — e, claro, casais apaixonados a trocar juras de amor.

À medida que as horas avançam, o mar e o sol vão se fundindo, tornando-se um só, e a duna, que antes era composta por uma areia branca, passa a ser uma aquarela a céu aberto. Isso porque, como em um ritual de despedida do astro rei, ela vai se revelando em tonalidades diferentes e mudando de cor sempre que o sol se aproxima de seu destino.

Mas não é um adeus, é apenas um até logo, pois no dia seguinte ambos estarão ali novamente, em lados opostos, se complementando. Ao fim do espetáculo natural, há quem não pense duas vezes e faça da descida de mais de 30 metros uma verdadeira aventura com o sandboard. Vale a pena experimentar.

5. Dunas Secas

Por fim, há outro cenário que fascina, inspira e traz uma sensação de plenitude que não apenas o motiva a conhecer cada canto de Jericoacoara, mas também a ter a certeza de uma coisa: você ainda vai voltar muitas vezes para esse recanto de tranquilidade e paz.

O lugar, acessível apenas por meio de buggys e quadriciclos, é conhecido como Dunas Secas e formado por vastas dunas, que se dividem entre formações rochosas e amontoados de areia. O formato é mantido ao longo dos anos, mesmo contra a força dos ventos, que insiste em moldar cada paisagem nos entornos.

Toda a área é bastante visitada diariamente. As pessoas desejam ver de perto as areias imóveis e o trabalho impecável da natureza que molda, cria e recria Jeri, abençoando essa terra como nenhuma outra.

Como você viu, não faltam opções quando o assunto é o que fazer em Jericoacoara. A região mescla a serenidade de quem vive do mar e usa suas redes de pesca todos os dias com a alegria de quem visita e descobre, a cada momento, uma terra cheia de histórias, cenários e pessoas apaixonantes. Por isso, aproveite e confira agora onde ficar Jeri!

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.